sexta-feira, 1 de abril de 2011

Reabiltação após Acidente Vascular Cerebral (AVC)



No dia 31 de Março, assinala-se o "Dia Nacional do Doente com Acidente Vascular Cerebral". Sendo esta uma as principais causas de morte em Portugal, é preciso transmitir o máximo de informação a toda a população que pode estar ou vir a lidar, direta ou indiretamente, com este problema.

Dados demonstram que em Portugal ocorrem seis AVC por hora, sendo este considerado um dos maiores motivos de incapacidade no nosso país. Chega sem aviso e pode afetar qualquer idade, com maior incidência a partir dos 65 anos. Um terço das pessoas que sofrem um AVC morre, um terço fica muito incapacitado e apenas um terço fica com sequelas ligeiras.

A reabilitação é uma das partes mais importantes do tratamento para aqueles que sobrevivem a um Acidente Vascular Cerebral, devendo ser iniciada numa fase precoce, logo nos primeiros dias após o AVC, ainda durante o internamento hospitalar, e, posteriormente, ter continuidade numa unidade especializada em reabilitação destes pacientes ou no domicílio. O doente deverá continuar sempre o seu processo de reabilitação dado que este é a única forma de manter as suas capacidades em pleno.

Após um AVC, a vida do doente transforma-se e é preciso ajudá-lo a adaptar-se às suas dificuldades, favorecer sua recuperação funcional, motora e neuropsicológica, promovendo a sua integração familiar, social e profissional, contribuindo assim para a recuperação da sua autoestima.

A Fisioterapia assume um papel fundamental no processo de reabilitação, procurando voltar a ensinar ao paciente com AVC atividades motoras simples do dia a dia como andar, sentar, estar de pé, deitar, fazer a sua higiene diária, etc., contribuindo para que o paciente se torne o mais autónomo possível.

A reabilitação é possível graças à enorme capacidade do cérebro em aprender e mudar. Hoje em dia, sabe-se que o fenómeno denominado de neuroplasticidade permite que as células de outras áreas do cérebro, que não foram afetadas pelo AVC, possam assumir determinadas funções realizadas pelas células da área afetada.

Os primeiros três a seis meses após o AVC são os mais importantes no processo de readaptação, pois é neste período que o doente pode recuperar a maioria dos movimentos voluntários. Ainda assim, nos meses e anos seguintes, é fundamental continuar a trabalhar para a manutenção das suas capacidades funcionais.

É importante não esquecer que um AVC envolve não somente o paciente, como a sua família e amigos próximos e que todos acabam por fazer parte, na medida das suas possibilidades, no seu processo de reabilitação.

Na Physioclem, clínica de fisioterapia osteopatia e bem-estar, encontra fisioterapeutas com especialização e experiência em situações neurológicas pós AVC, contribuindo ativamente para a sua recuperação.

Vânia Clemente e Jéssica Margarido
Fisioterapeutas Physioclem


Sem comentários:

Enviar um comentário