quarta-feira, 18 de abril de 2018

Estamos aqui





O sorriso e o obrigado de cada utente. Aquele abraço espontâneo, por ter feito a grande diferença, que nos preenche. 
Que “prémios” podemos querer mais?! Qualquer reconhecimento académico ou profissional, ficam aquém do seu sorriso, obrigado e abraço.
Não fazemos promessas, simplesmente, porque somos humanos. Mas estamos aqui, a cada dia que passa a contribuir para resolver e minimizar os seus problemas, a sua dor. Estudamos e investigamos intensamente para lhe dar o melhor.
Um trabalho que nos conquista a cada dia. Cuidamos com todo o nosso Ser. Pelas nossas mãos percorre conhecimento, para que a cada palavra, a cada gesto, se liberte.
Cuidamos de si, com entrega, dedicação. E, em cada momento, crescemos juntos. Uma missão que nos orgulha. 



sexta-feira, 13 de abril de 2018

A Felicidade é uma escolha



Tudo começou quando uma bela notícia de gravidez inesperada se transformou de numa gravidez de alto risco. Quando recebemos um diagnóstico que põe em causa a evolução natural de uma gestação, ou mesmo se chegará ao fim, o nosso mundo muda. A alegria dá lugar à preocupação e somos invadidos por um sentimento de angústia difícil de explicar. 
Passamos por um período de confusão e alguma revolta que faz parte de todos os acontecimentos inesperados e negativos que nos acontecem, mas inevitavelmente vem a aceitação dos factos. 
E agora, como vai ser? O que esperar? Como vou lidar com alguns meses de espera com um prognóstico tão indefinido? Como vou enfrentar os procedimentos médicos, como a amniocentese, cordocentese, RM, ecos e análises sem fim a juntar a uma dose tão grande de medicação diária? E tudo isto estando meses em casa com alguns períodos de repouso absoluto pelo meio? 
Perante tantas mudanças, desafios e perguntas sem resposta, senti-me na necessidade de procurar formas para conseguir manter a minha sanidade mental, não cair num estado depressivo e conseguir estar no meu melhor, física e mentalmente, preparando-me para qualquer que fosse o futuro. Entrei, então, num mundo de procura exaustiva de informação e conhecimento útil que me pudesse ajudar. O primeiro recurso que encontrei foi a meditação. A prática da meditação plena - Mindfulness - num contexto diário ajudou-me a lidar com a ansiedade, a reduzir o stress, a controlar as emoções negativas e a manter o foco nas coisas boas. 
Sempre que saía de uma consulta, tentava filtrar a informação, mantendo o meu foco apenas nas boas notícias. À medida que fui aprofundando, percebi que a meditação ganha outra dimensão se nela trabalharmos o processo de gratidão, uma gratidão ativa, intencional, na qual agradecemos genuinamente o que de bom temos na vida, sejam relacionamentos, circunstâncias, acontecimentos e até algo que acreditamos ser verdade mesmo sem certezas. No meu caso, agradecer todos os dias pela saúde da minha filha ainda na barriga. 
Estudos recentes, utilizando o método de RM, analisaram o que acontece no nosso cérebro durante a prática da meditação focando a gratidão e perceberam que esta técnica promove a ativação de várias estruturas cerebrais como: as Estruturas mediais do córtex pré-frontal (potencializar a qualidade das relações humanas, tranquilidade, relaxamento e regulação emocional); o Hipotálamo (responsável pela redução dos níveis de stress); o Sistema Dopaminérgico (responsável por maiores níveis de motivação e prazer). Torna-se mais simples, face a estas investigações, perceber os benefícios que traz para a saúde e vida, como a melhoria do sono, a qualidade das relações românticas, melhoria do sistema imunológico, aumentando também a motivação para a atividade física, a sensação de bem-estar. Sentir felicidade!
Como as primeiras horas do dia são decisivas para determinar o resto do dia, dedico  10 a 20 minutos pela manhã, praticando a técnica de atenção plena (foco na respiração, estado do corpo, ambiente que me rodeia) e, de seguida, foco-me em três coisas pelas quais sou grata naquele momento e deixo que essa sensação interna de bem-estar me preencha. Se quiserem aprofundar mais este tema sugiro os livros Mindfulness, do Prof. Dr. Mark Williams e do Dr. Danny Penman, e o livro O Milagre da Manhã, de Hal Elrod.
Uma outra forma, esta um pouco mais rápida e momentânea que encontrei para me manter num estado positivo todos os dias, foi recorrer a algumas técnicas de  PNLProgramação NeuroLinguística – Aconselhadas por Anthony Robbins em vários dos seus livros (ex. O Poder sem Limites). 
Sempre que nos sentimos em baixo, deprimidos, tristes ou assoberbados por pensamentos negativos, podemos mudar o nosso estado emocional mudando a nossa fisiologia, como seja o padrão respiratório, movimentos, expressão facial, tom de voz, e, desta forma, conseguimos passar rapidamente, e de forma eficaz, de um estado emocional negativo para um estado emocional desperto, motivado e positivo. Outra forma de alterar o nosso estado emocional focarmo-nos em acontecimentos, experiências vividas que nos transmitam uma sensação positiva. Uma potencializa a outra, devendo as duas ser aplicadas em simultâneo. Podemo-nos focar em algo que nos trás alegria, mas se naquele momento não alterarmos a nossa fisiologia mantendo uma postura retraída, uma expressão triste e um tom de voz melancólico, então não conseguiremos alterar o nosso estado emocional. Recorro a esta técnica sempre que me sinto dominada por emoções negativas e rapidamente volto a ter o controlo sobre a minha mente
Por fim, e como diz o velho ditado corpo são mente sã, recorro a uma prática diária de exercício físico (bastante condicionado dada a situação) para manter o meu nível de bem-estar fisico. Cada um deve escolher a que mais gosta. Escolhi praticar Yoga e Pilates, todas as manhãs, antes de meditar. É a primeira coisa que faço, depois de beber um copo de água morna com limão. Estendo o meu tapete e começo uma série de exercícios de mobilidade, alongamentos e posturas recomendadas durante a gravidez, que dura aproximadamente 15 minutos. Preparo-me para o exercício de meditação seguinte pois um corpo rígido acabado de sair da cama e uma mente sonolenta dificilmente estarão num estado relaxado, disponível e atento para a prática efetiva da meditação. Desta forma, após trabalhar o corpo estou mais preparada para trabalhar a mente. 
Aprendi uma grande lição nos últimos meses. A Felicidade é uma escolha. É um estado que não depende de nada que nos seja externo, não depende de quem nos rodeia, de nenhuma circunstância ou acontecimento. É um estado de paz e satisfação interna que se consegue com um trabalho diário interior, no qual nos focamos na auto-realização que atingimos ao viver o nosso propósito de vida. É um sentimento que tem de vir de dentro para fora e não depende de Se's nem Quando’s: “Se aquilo acontecer serei feliz”, “Quando conseguir tal coisa serei feliz”. Não. É uma decisão, uma atitude tomada no agora. Não podemos deixar a nossa felicidade à mercê do que não controlamos. 
Grande parte dos acontecimentos da vida não estão sob o nosso controlo, apenas podemos controlar/escolher como lidar com os mesmos. Perante acontecimentos dramáticos e difíceis podemos escolher encará-los como problemas ou como aprendizados. Podemos simplesmente escolher deixarmo-nos arrastar pela corrente olhando para trás com angústia e apego ou aproveitar a força da mesma para nos levar para um lugar melhor. Se mudarmos a nossa perspetiva, mudamos o mundo à nossa volta. Uma vez mais, é uma escolha. 
Aconselho-vos um livro excepcional de Viktor Frankl, Em busca de Sentido, que conta a história como o próprio autor conseguiu sobreviver durante 3 anos, mantendo a sua sanidade mental, no campo de concentração Nazi em Auschwitz, exercendo a única liberdade que tinha naquele momento, a última liberdade humana, quando nada mais está sob o nosso controlo: a capacidade de escolha, a capacidade de escolher qual será a nossa atitude perante uma dada circunstância. 
A partilha de histórias, como a de Viktor Frankl, ou a minha história, serve para lembrar que perante um acontecimento inesperado que vem abalar os nossos alicerces, somos desafiados a superar as nossas forças, crenças e atitudes perante a vida. 
Somos postos à prova e percebemos que: “Quase sempre a maior ou menor Felicidade depende do grau de decisão de ser feliz” , Abraham Lincoln.


quinta-feira, 12 de abril de 2018

A importância da fisioterapia preventiva ou de manutenção




Assim que os nossos pacientes saem do nosso gabinete, depois de uma sessão de Terapia Manual, ficamos com as suas palavras: “Parece que cresci”, “Estou mais leve”, "Parece que tenho menos 20 kg”, "Estou nas nuvens", "Agora sim, sinto-me mais direita", "Estava mesmo a precisar disto”, "Estou como novo”, “Devia fazer isto mais vezes", "Se pudesse fazia isto com frequência", "Se pudesse levava-o comigo para casa", "Tenho de continuar”. Juntam-se tantos outros testemunhos que nos relembram a paixão e a razão de estar aqui, do trabalho que desenvolvemos.

Se por um lado é certo que a evidência científica não prova a importância da fisioterapia preventiva (se é que é possível provar), por outro não há dúvida de que esta é a nossa experiência clinica e estes são os relatos de centenas de pacientes que temos acompanhado na última década.

Nunca é demais repetir que é fundamental a adoção de um estilo de vida saudável, que alie atividade física e uma alimentação rica e equilibrada. Não menos importante é descansar adequadamente, estar bem consigo e com a vida. No nosso entender, é importante descomprimir, alongar, relaxar através da Terapia Manual, feita por um profissional competente.

Posições erradas
Fruto do stress do dia-a-dia, das tensões musculares e fasciais, das más posturas adotadas e mesmo de fatores hereditários, é normal que o corpo adote, ao longo do tempo, posições erradas, longe da posição anatómica ideal para permitir uma durabilidade maior das estruturas do corpo. A isto acresce ainda os microtraumatismos normais no decorrer das muitas atividades feitas no trabalho, desporto, tarefas de casa, os excessos de carga ocasionais e mesmo os erros alimentares e de hidratação, que trazem perturbações nas estruturas musculoesqueléticas (micro-lesões), com a instalação de pequenos processos inflamatórios. Estes, por sua vez, obrigam o corpo a adotar movimentos/posturas de defesa para evitar a dor, dado que é um dos pilares essenciais da nossa "programação": o evitar a dor. Adotar movimentos e/ou posturas ligeiramente alterados vai também contribuir para a alteração do alinhamento das partes do corpo e assim de todo o conjunto.

Com o passar do tempo, a modificação das forças exercidas na articulação pode levar a sobrecarga numas regiões e o inverso noutras, assim como a limitação do movimento nuns segmentos (hipomobilidades) e noutros segmentos hipermobilidades compensatórias. Estas perturbações levam a uma danificação progressiva das estruturas do corpo em regiões muito específicas, nas quais se instalará a patologia musculo-esquelética. Na fisioterapia, quando fazemos uma avaliação pormenorizada da postura e do movimento do corpo, é-nos possível ter uma ideia muito concreta sobre os locais onde há maior probabilidade de surgir patologia.

Prevenção
Se quebrarmos o ciclo descrito, ao evitar as alterações do alinhamento, através da restauração da mobilidade normal, libertação das tensões musculares e fasciais e de aderências causadas pelos micro-traumatismos e promovendo uma postura mais correta, podemos evitar a instalação da patologia musculoesquelética. Este trabalho preventivo é de extrema importância e tem vindo a ser defendido há muitos séculos, especialmente pelas culturas orientais, através de técnicas de movimento e massagem. Já no ocidente, pelo contrário, tem havido um desinvestimento na prevenção e investimento apenas no aspeto curativo da saúde.

A nossa experiência e a sensibilidade, face ao trabalho que desenvolvemos, demonstram que é possível e é muito vantajoso fazer este trabalho preventivo através do acompanhamento regular do fisioterapeuta.

Mantenha-se bem!


quarta-feira, 11 de abril de 2018

Família Physioclem




Entra e sai. Entre o abrir e o fechar da porta, há um caminho que se constrói, que ultrapassa qualquer sessão.
Entrega-se. Confia em nós, mesmo quando não está completamente à vontade. Aos poucos vai entrando. Depois fica, aumentando, assim, a família Physioclem.
E nós?
Nós temos orgulho em abrir a porta e nunca mais fechá-la, porque a cada momento cuidamos com todo o nosso Ser. Crescemos, assim, juntos numa simbiose perfeita.
Gratos 🙏


quarta-feira, 4 de abril de 2018

De mãos dadas pela sua saúde





A Physioclem é muito mais do que um conjunto de batas brancas. É sorriso, alegria, profissionalismo, experiência, partilha, uma palavra amiga. A sua história funde-se no percurso do pai da Physioclem, Marco Clemente. Um homem que transporta no seu ADN a paixão pela fisioterapia, pelo empreendedorismo, pela sua terra, pelas pessoas.

Desde 2002 que continua a crescer. Alcobaça, Caldas da Rainha, Leiria, Torres Vedras e, mais recentemente, Ourém e Fátima. Aqui, nestas cidades, encontra a Physioclem e tudo o que esta tem para lhe oferecer. Encontra também uma equipa jovem e dinâmica, que aposta na formação, com o objetivo de responder adequadamente a cada desafio que entra pelas suas portas. 

Com serviços focados na Fisioterapia, Osteopatia e Bem-Estar, a Physioclem presta cuidados não só nas suas clínicas, como também em várias instituições, empresas e domicílios.

De mãos dadas pela sua saúde há 16 anos!



segunda-feira, 12 de março de 2018

Carta aberta: Apreciação ao Projeto de lei que visa a Criação da Ordem dos Fisioterapeutas





Ex.mos Srs. Deputados, da Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República,


Venho fazer um comentário aos Projetos de lei nº 635/XIII (3.ª) e nº 642/XIII (3.ª) que visam a Criação da Ordem dos Fisioterapeutas, que estão em apreciação até ao próximo dia 19 deste mês.

O meu nome é Marco Teixeira Clemente, CC nº 10722576, resido em Alcobaça, sou gerente de uma empresa de fisioterapia com clínicas na região Oeste de Portugal, sou fisioterapeuta há 20 anos e cidadão ativo na promoção da saúde na minha comunidade.

Nos últimos anos a evidência científica tem vindo a demonstrar a efetividade da intervenção da fisioterapia com significativos ganhos em saúde, em qualidade de vida e com redução nos custos da saúde. A título de exemplo, o mês passado foi publicado um estudo americano que veio demonstrar que o acesso direto ao fisioterapeuta com um episódio de dor lombar ou dor cervical reduz significativamente os custos, tendo os pacientes obtido níveis idênticos de resultado. A fisioterapia é hoje uma intervenção de primeira linha em diversas condições de saúde, nas mais variadas áreas de intervenção. É claro o beneficio da fisioterapia, desde que esta seja feita com qualidade, baseada na evidência, e de acordo com os padrões de prática recomendados pela Confederação Mundial de Fisioterapia. Representa um verdadeiro avanço na saúde.

Infelizmente esta qualidade de intervenção não é o espelho da fisioterapia em Portugal. São ainda muitos os locais onde a intervenção se baseia em princípios de há 30 anos e que recorrem a técnicas cuja evidência de ineficácia está já demonstrada. São muitos os locais que recorrem a profissionais não qualificados que fazendo-se passar por fisioterapeutas prestam o serviço e dessa forma poder “vendê-lo” a um custo mais baixo. São também muitos os fisioterapeutas que não atualizam os seus conhecimentos e que “tratam” dos cidadãos portugueses sem uma única formação pós-graduada após o termino do seu curso, mesmo com 20 e 30 anos de trabalho. Estas práticas constituem não só uma injustiça de mercado face às empresas/profissionais que apostam na sua qualificação, que obviamente tem custos associados e que se devem refletir no preço a ser praticado, mas são acima de tudo um risco para os pacientes e uma clara perda da oportunidade de ter ganhos em saúde e qualidade de vida.

É fundamental garantir o acesso a cuidados de fisioterapia de qualidade, efetuados por profissionais devidamente acreditados e atualizados, que baseiam a sua prática na melhor evidência disponível, pela saúde dos portugueses.

Os atuais organismos reguladores da profissão não têm desempenhado este papel. Parece-me que só uma regulação feita por pares, as únicas pessoas verdadeiramente capazes de reconhecer as boas e más práticas, poderá garantir a qualidade do serviço. É por isto que sou completamente a favor de uma Ordem profissional que tenha a possibilidade de “obrigar” os profissionais a se manterem atualizados de forma a manterem a sua carteira profissional ativa, que tenha a possibilidade de sancionar profissionais cuja prática não esteja de acordo com o recomendado e verificar os locais onde a fisioterapia é feita por profissionais não qualificados.

Da forma como o mercado está neste momento, entidades como as seguradoras e outras podem negociar o serviço de fisioterapia com clínicas que não têm fisioterapeutas devidamente licenciados ou que não têm as competências claramente demonstradas para tratar determinadas condições clínicas. Fazem-no para poderem pagar valores ridiculamente baixos, que só permitem manter as unidades em funcionamento se “tratarem” 4, 5, 6, 7 e até 8 pacientes por hora. Esta é a infeliz realidade nacional que não protege o cidadão. Esta é a realidade que vários organismos de direito público conhecem e que nada fazem para se opor, portanto não é regulado por ninguém. Os cidadãos merecem/têm o direito ao acesso a cuidados diferenciadores, de qualidade. E tal é possível.

Também recebemos frequentemente utentes que após terem recorrido aos serviços convencionados por diferentes sub-sistemas não veem a sua situação resolvida, tendo por sua conta e risco que procurar realidades diferenciadas da fisioterapia e solucionarem assim os seus problemas.  

Defendo assim a criação da Ordem dos Fisioterapeutas enquanto organismo defensor/promotor da fisioterapia de qualidade em Portugal, pela defesa dos direitos do cidadão, pelo acesso a serviços que possam proporcionar uma melhor qualidade de vida aos portugueses. Cientificamente falando, é inegável a possibilidade de trazer estes ganhos aos Portugueses.

Fico inteiramente ao dispor para a colaboração e defesa da minha comunidade, dos portugueses.

Com os melhores cumprimentos,
Marco Clemente


||||


Pedimos-lhe que subscreva este abaixo assinado em favor da criação da Ordem dos Fisioterapeutas. Enquanto utente merece saber se o profissional é credenciado, regulado e se está devidamente atualizado, para assim poder confiar nos serviços de fisioterapia que lhe estão a ser prestados. Assine aqui: bit.ly/_AbaixoAssinado_