Atleta e treinadora de papel recomenda tratamento com EPI





"São impressionantes os resultado do tratamento com Eletrólise Percutânea Intratisular (EPI). Como jogo Padel de alta competição e dou bastantes aulas, submeto o cotovelo a excessos de carga. Nos últimos dois anos, as dores aumentaram de tal ordem que me afastaram, durante seis meses, do campo. Após as primeiras sessões de tratamento, na Physioclem, senti a diferença. Regressou a confiança e conforto para pegar na raquete e voltar ao meu desporto, ao meu trabalho. Atualmente, mantenho o plano de exercícios indicados pelos fisioterapeutas e tenho conseguido manter os meus níveis de atividade”, testemunha a atleta Susana Dias.

Focada em aumentar a qualidade e a eficácia dos tratamentos, a Physioclem aposta na utilização da Eletrólise Percutânea Intratisular. Trata-se de uma técnica invasiva que, a partir de uma corrente galvânica, tem a capacidade de regenerar os tecidos inflamados/fibrosados. O seu princípio consiste em reiniciar o processo inflamatório para que, combinado com os estímulos externos e internos corretos sobre os tecidos lesados, este possa induzir uma correta cicatrização. Trata-se de uma técnica ecoguiada e realiza-se com a introdução de uma pequena agulha de acupuntura no local lesado, devidamente identificado, fazendo pequenas descargas elétricas.

Quais as lesões que podemos tratar com esta técnica?
  • Lesões musculares (roturas agudas e/ou crónicas);
  • Ombro doloroso (lesões do tendão da coifa dos rotadores);
  • Tendinopatías do tendão rotuliano e aquiles;
  • Lesões do cotovelo (epicondilite e epitroclite);
  • Lesões dos Ligamentos (entorses do joelho e tornozelo);
  • Fascites plantares;
  • Neuropatías compresivas (túnel do carpo por compressão do nervo mediano ou ciáticas por compressão do nervo ciático)
  • Lesões da coluna vertebral (hérnia discal lombar);
  • Periostite tibial.

O sucesso do tratamento depende, também, de uma análise cuidada da biomecânica corporal, bem como da prescrição correta de exercícios. Alguma dúvida sobre este tratamento, contacte o seu fisioterapeuta.



Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.