Deformações da Cabeça do Bebé – Plagiocefalia, o que fazer?



O que podemos fazer quando observamos que o nosso bebé nasce com deformação ou aplanamento da cabeça?

Ou quando damos conta que a sua cabeça se deforma com o tempo? Esta deformação da cabeça chama-se Plagiocefalia e pode-se melhorar com um tratamento manual das deformações da cabeça.

A plagiocefalia é uma alteração que pode afetar a cabeça do recém-nascido, e apresenta-se como deformação do crânio. A deformação do crânio é geralmente na forma de um paralelogramo, em vez da forma arredondada e simétrica do crânio normal. Esta alteração pode ser congênita ou adquirida nos primeiros meses de vida, enquanto o crânio é "mole" e não completamente ossificado.

Quais são as causas da Plagiocefalia?
A causa mais comum de plagiocefalia são as pressões exercidas pelos ossos da pélvis da mãe no crânio do recém-nascido. Nesse caso, é comum que a parte posterior esquerda da cabeça (osso occipital) sofra pressão constante dos ossos púbicos e que a parte anterior direita (osso frontal) sofra pressão do sacro da mãe (isto é, o caso mais frequente devido à apresentação mais comum da criança no parto).

Esta combinação de forças deforma o crânio, já que são pressões que geralmente são mantidas com o tempo. Existem outros tipos de combinações de pressão para criar crânios com plagiocefalia que dependem do tipo de posicionamento que o bebé tem para nascer.
Existe outra causa possível para este problema, e é quando os bebés passam muito tempo deitados na mesma posição. Nestes casos, a plagiocefalia será adquirida nos primeiros meses de vida. As crianças que passam muito tempo de costas com a cabeça para o lado podem apresentar deformação pelos suportes da superfície de apoio. Se as pressões sofridas pelo bebê são simétricas, podemos ver uma área de achatamento, um problema comum em países onde há bebés em centros de educação/ creches sem pessoal suficiente ou que prestem atenção às posições mantidas no berço/ espreguiçadeiras. Eles passam tanto tempo de costas que ocorre um achatamento muito importante na área occipital (osso atrás da cabeça) - Braquicefalia. O achatamento também pode afetar uma parte lateral posterior da cabeça (ossos parietais) - Plagiocefalia.
Por outro lado, existe uma grande correlação entre o torcicolo congênito e a plagiocefalia. Crianças com uma cabeça constantemente torcida que são colocadas no berço, sempre viradas para o lado, frequentemente sofrem pressão da cabeça no berço que deforma a cabeça. Por outro lado, a plagiocefalia pode ser uma possível causa do torcicolo congênito.
 

Como pode saber se o seu filho tem plagiocefalia?
O normal é que o pediatra o detete nas primeiras visitas e aconselhe os pais a tomar medidas. E, por outro lado, não é difícil avaliar por parte dos pais se a cabeça está deformada, ou mesmo a face porque uma das maçãs do rosto é mais plana do que a outra e uma área da testa mais proeminente que a outra.
A melhor maneira de avaliar é através da observação da cabeça do bebé (vista da cima). Existem vários detalhes que podem ser muito claros:
• A cabeça não tem forma arredondada, mas sim a forma de um paralelogramo e áreas planas;
• Uma parte da testa é claramente mais proeminente que a outra;
• As orelhas estão claramente a uma distância diferente da área central da testa.
 
Quais as consequências que a plagiocefalia pode ter?
A curto prazo, este tipo de deformação do crânio pode causar problemas diferentes:
• A forma assimétrica do crânio pode perturbar a saída de qualquer um dos nervos que deixam a cabeça para o funcionamento de diferentes órgãos ou músculos. Se o nervo comprimido for o nervo acessório (XI par craniano), os músculos do pescoço não se contraem de igual forma em ambos os lados e o bebé irá apresentar torcicolo, se o nervo comprometido for o nervo vago (X par craniano) o bebê pode ter desconforto digestivo, se o nervo comprometido for o  glossofaríngeo (IX par craniano) o bebé pode ter problemas para engolir, etc ...
• Outras estruturas podem ficar afetadas pelo desvio ósseo. Na região do temporal (região do ouvido) pode estar mais comprimida e não permitir a drenagem, formando a otite, ou  por exemplo o fechamento do canal lacrimal que irá afetar o bom funcionamento do olho, etc.

Quais os inconvenientes a longo prazo?
• Os desvios e assimetrias da cara afetam o correto crescimento da mandíbula e dos dentes. Uma vez chegada a idade adulta, será necessária ortodontia e poderá ser necessária ortodontia durante a infância e adolescência para realinhar as estruturas e melhorar a oclusão;
• As assimetrias nos seios (espaços aéreos por detrás da face) poderão provocar sinusite na idade adulta.
• A assimetria no osso frontal e nos maxilares levam a um desvio do septo nasal, dificultando a entrada de ar por uma ou pelas duas narinas.
Qual é o tratamento para a plagiocefalia?
Os aplanamentos (braquiocefalias) e plagiocefalias tem a possibilidade de ser tratados com terapia manual. É um tratamento bastante desconhecido em Portugal, mas em muitas Maternidades em França já incluem Fisioterapeutas especializados em Pediatria na equipa pediátrica. Também são alguns osteopatas, os profissionais que podem realizar estes tratamentos.
O tratamento manual é realizado sobre a cabeça do bebé através de pressões muito delicadas e muito precisas. O objetivo principal é realinhar as peças ósseas e abrir os espaços para a passagem de nervos e outras estruturas. Desta forma ganha-se e restabelece-se a simetria da cabeça e o movimento correto do pescoço. Para alguns casos é preciso combinar a terapia manual com um “capacete” ortopédico realizado a medida por um técnico ortopédico. As pressões constantes do capacete sobre os ossos da abóboda craniana ajudam a restabelecer a simetria.

É possível obter resultados positivos?
É possível conseguir resultados positivos sempre e quando o tratamento é precoce. O crânio segue um processo de ossificação em distintas etapas que se inicia aos 4 meses. Antes de esse momento, os resultados serão melhores. A partir dos 4 meses, a eficácia vai diminuindo a cada mês que passa.
Em qualquer caso o tratamento dura vários meses, com uma frequência de 1x/semana, contudo em casos mais severos é melhor tratar 2x/semana e reduzir à medida que a situação vai ficando mais estável.

O que pode fazer a família para prevenir as plagiocefalias?
O mais importante é que o bebé passe o menor tempo possível de barriga para cima para que as pressões não deformem mais a cabeça, excluindo os momentos de dormir que o bebé. O ideal é que o bebé seja transportado em suporte Kangoro ou Babywearing, porque a posição erguida e colada ao corpo dos pais tem muitos benefícios e protege das deformações.
Entre estes benefícios destaca-se a estimulação do sistema vestibular graças aos movimentos que o bebé sente no seu ouvido interno ao ser transportado junto dos pais. Esta é a chave para o desenvolvimento do sentido de equilibro do bebé, para a futura coordenação dos olhos e do pescoço e ainda facilita a integração de distintas etapas do desenvolvimento motor.
Nas situações possíveis, o tratamento manual do crânio será imprescindível para levar as peças ósseas à normalidade, para devolver a forma correta ao crânio assim como para prevenir futuros problemas consequentes das plagiocefalias.


Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.