sábado, 10 de novembro de 2012

Conflito sub-acromial, o que a fisioterapia pode fazer por si?






Podem existir muitos fatores que contribuem para a ocorrência do conflito sub-acromial: alterações posturais, desequilíbrios musculares, gestos repetidos do membro superior, má postura no trabalho, alterações morfológicas das estruturas anatómicas, entre outros.
Apesar dos cuidados preventivos que pode ter, por vezes é necessário consultar um profissional de saúde que possa avaliar adequadamente a situação e direcionar a melhor forma de tratamento.
A fisioterapia dispõe de vários recursos para o ajudar. Em primeiro lugar, é necessário proceder a uma avaliação cuidadosa do paciente de modo a compreender quais os fatores envolvidos e escolher as melhores técnicas e estratégias de intervenção.
A fisioterapia atua no ensino sobre os fatores de risco, adequação das posturas no trabalho e desporto e envolve um conjunto de técnicas que visam aliviar as queixas dolorosas, normalizando ao máximo as tensões musculares e o funcionamento das estruturas músculo-esqueléticas.
A abordagem de tratamento, na maioria dos casos, passa por melhorar a postura estática e em movimento. Por exemplo, a postura das omoplatas é muito importante para um correto funcionamento do complexo articular do ombro. O desequilíbrio muscular que se traduz em omoplatas mais enroladas para a frente e/ou mais subidas é uma importante causa do conflito sub-acromial, já que esta posição favorece que as estruturas entre o acrómio e a cabeça do úmero sejam comprimidas, gerando inflamação e dor. Esta situação pode ocorrer devido a estruturas musculares retraídas que "puxam" a omoplata para a frente, ou devido a outras estruturas musculares que não estabilizam devidamente a omoplata na sua posição correta (os estabilizadores da omoplata). Neste sentido, o fisioterapeuta pode aplicar técnicas de estiramento das estruturas que favorecem esta posição, de modo a normalizar as tensões e melhorar o alinhamento articular. Pode também aplicar técnicas de treino dos estabilizadores da omoplata (trapézio inferior e grande dentado) para que estes funcionem adequadamente. Veja um exemplo deste treino, feito de forma muito específica com um programa de computador associado à eletromiografia, que permite perceber como estão os músculos a funcionar e treiná-los mais corretamente, em http://www.youtube.com/watch?v=XtrWr6gc3G8. 
Além disso, para o ombro funcionar bem, precisa também de um adequado funcionamento dos músculos estabilizadores locais da gleno-umeral, a coifa dos rotadores, que impede que a cabeça umeral suba excessivamente na direção do acrómio provocando redução do espaço sub-acromial e inflamação das estruturas (supra-espinhoso e da bolsa sub-acromial). Nesta situação, o fisioterapeuta direciona o paciente para a realização dos exercícios terapêuticos mais adequados para fortalecer a coifa dos rotadores e permitir uma centragem da cabeça do úmero.
A fisioterapia dispõe também de agentes adjuvantes que em alguns casos podem ser aplicados diretamente para ajudar a controlar a inflamação e dor local, como é o caso do LASER, Ultra-som eletroterapia ou magnetoterapia.
É muito importante lembrar que o ombro não existe de forma isolada do corpo humano! O seu equilíbrio depende também da sua reação com outras partes do corpo, é preciso olhar para o todo! Por exemplo, os vários músculos e estruturas que o compõe recebem inervação essencialmente da coluna cervical, pelo que um bom funcionamento da coluna é fundamental para que as estruturas que compõe o ombro recebam uma boa informação nervosa e estejam equilibradas.
Aqui o fisioterapeuta possui também ao seu dispor diversas técnicas de terapia manual para melhorar o funcionamento das articulações vertebrais permitindo a sua harmonia.
Em conjunto, a combinação de várias técnicas podem fazer uma grande diferença na forma como o ombro funciona e alterar os fatores que desencadeiam o problema.
Não deixe de procurar a ajuda de um fisioterapeuta!


Sem comentários:

Enviar um comentário