quarta-feira, 20 de julho de 2016

“Os fisioterapeutas da physioclem são todos uns queridos e amigos”





Há heróis sem capa, sem asas… Há heróis de grandes sorrisos, daqueles que trazemos para casa e que relembramos com frequência. Foi uma conversa a três. Nem sempre o diálogo fluiu, mas a mãe deste meu herói, de apenas 8 anos, esteve sempre por perto. 
Os fisioterapeutas da Physioclem tornaram-se também os melhores amigos do menino Martim Pereira. Uma relação que nasceu há um ano.
Todos nós temos e partilhamos sonhos, o do nosso Martim é conhecer Cristiano Ronaldo. É o seu ídolo. Será que alguém pode ajudar a concretizar?

Janeiro de 2015
A família saia de casa, do concelho das Caldas da Rainha, em direção à Covilhã. A neve era a razão deste passeio até norte do país. No interior do carro, o entusiasmo estava ao rubro. Avós paternos e pais, acompanhavam o pequeno herói nesta viagem. Seria a primeira vez que iria ver e tocar na neve.
Martim não chegou a brincar, nem a tocar na neve. Um acidente de viação mudou o rumo de cada um deles. A avó acabou por morrer; o menino teve um traumatismo craniano; a mãe, que estava grávida, acabou por perder o bebé o pai e o avô também sofreram algumas mazelas… “Uma viagem para esquecer. Tudo o que tínhamos projetado acabou por não acontecer”, diz Sandra Pereira, que esteve nos cuidados intensivos durante algumas semanas: “foram momentos de grande dor, porque não podia estar perto do meu filho que estava internado em Coimbra”. Começou no hospital da Covilhã, passou por Santa Maria (Lisboa) e terminou nas Caldas. Foram dois meses sem ver o filho, pelas multifraturas que sofreu.
O quadro do Martim era preocupante. Perdeu a memória. Deixou de andar e de falar. Esteve em coma induzido durante duas semanas. O Hospital Pediátrico de Coimbra foi a sua casa durante cinco meses. As enfermeiras Susie e Cátia são as que recorda com mais saudade. Também fez amizade com a menina Constança, de 3 anos. Inesquecíveis são também a fisioterapeuta Marta e as terapeutas ocupacionais Paula e Cristina.

Junho de 2016
A mãe define o Martim como um menino bem-disposto. “Não tem vergonha nenhuma e tem um grande sentido de humor”. E entra em campo o pequeno: “Os fisioterapeutas da physioclem são todos uns queridos e amigos, menos o Rodrigo que é do Sporting”. Solta uma gargalhada. E nós também.
Traço um plano com o Martim. Vamos aproveitar os martelinhos de plástico dos santos populares para dar uma martelada ao fisioterapeuta Rodrigo. Quando acordar, será benfiquista. Ri-se e aceita o desafio. Vamos ter que esperar pelos festejos do próximo ano… Não houve martelada!
Já para a fisioterapeuta Rita, que o acompanha desde junho do ano passado, só tem palavras carinhosas: “É uma fofinha. Às vezes não me apetece fazer nada, mas depois acabo por fazer o que me pede”. Conta a mãe que, por vezes, só faz os exercícios e alongamentos quando a Rita lhe garante que no fim à jogo de futebol.
Futebol? Os olhos do Martim iluminam-se! É a sua grande paixão. Quer ser jogador de futebol. O Benfica é o seu clube do coração. Gaitan, Mitroglou e Jonas são alguns dos jogadores que enumera.
O menino Martim e o senhor Félix já são bem conhecidos na physioclem. São os pacientes mais preguiçosos da clínica. “É o mais fixe, porque é preguiçoso como eu”. Solta outra gargalhada. E nós também.
Martim gostava de um dia jogar no Real Madrid ou em Barcelona. Da mãe saem as palavras: “E eu vou contigo. Vou acompanhar-te sempre. Sou uma galinha e muita chata”.
Jogar futebol sempre foi a sua grande paixão. As limitações físicas afastaram-no dos campos, nomeadamente da Escola Académica das Caldas da Rainha, mas não da vontade de querer voltar. Mesmo na cadeira de rodas, fazia questão de estar ativo. Em setembro, regressa àqueles relvados. 
Além do futebol e da fisioterapia, faz terapias ocupacional e da fala. “O Marco Rodrigues e a Vânia Figueiredo também têm sido fundamentais para a recuperação do Martim. Ele adora-os de coração”, refere a mãe. Acrescenta-se ainda hidroterapia. 
A vida de Sandra transformou-se. Já não trabalha a tempo inteiro. “Os meus patrões são fantásticos. Sempre me apoiaram”. A maioria das tardes é passada na physioclem. Inicialmente, os tratamentos aconteciam todos os dias, atualmente decorrem três vezes por semana. “A physioclem é uma das grandes responsáveis pela evolução do meu filho”.
O nosso herói fala com ternura dos primos, Lourenço e João. Nesse momento, a mãe emociona-se. “Têm sido fundamentais na recuperação do meu menino. São incansáveis…” As palavras são trocadas por sorrisos, porque o Martim está apaixonado pela Leonor, a sua namorada. Faz corações com as mãos. Com o pai, passa longos momentos a jogar. 

Palavra de fisioterapeuta
A fisioterapeuta Rita Marques recebeu o Martim em julho de 2015. As lesões que sofreu no cérebro provocaram alterações cognitivas e comportamentais. 
“É um dos nossos pacientes de reabilitação neurológica. Faz treinos de marcha, alongamentos globais, exercícios de equilíbrio, de correção postura e de motricidade. Além disso, trabalhamos o fortalecimento muscular global, através de diferentes e planeadas tarefas”. 
Rita relembra o dia em que o Martim entrou nas instalações da physioclem em Caldas da Rainha: “está totalmente diferente. As conquistas são mais do que muitas. Vamos continuar a trabalhar para que recupere a máxima normalidade do dia-a-dia”.
Com o nosso pequeno herói aprendemos que mesmo em momentos de dor, há sempre motivos para uma boa gargalhada. Os heróis vestem-se de todas as idades e os exemplos chegam, especialmente, de pessoas que acreditam…
Luci Pais


2 comentários:

  1. Ter/incutir espírito de atleta/desportiva é fundamental para boa qualidade de vida.

    ResponderEliminar
  2. Grande Martim! Um menino de grande força. Tem uns pais fantásticos assim como toda a família,foram momentos de muita angustia e muita dor.Parabéns a toda esta equipe que tem ajudado e feito uma grande recuperação com Martim. Um obrigada a todos e continuação de muitos sucessos. Ass.Carla Ventura amiga da familia do Martim

    ResponderEliminar