sexta-feira, 12 de agosto de 2016

“Na Physioclem temos tempo para quem nos procura”





Tem uns olhos profundos e cheios de doçura. No ventre carrega um novo amor da sua vida. A bebé Carminho. Com apenas 25 anos, Joana Vieira é uma mulher decidida e consciente dos desafios que tem pela frente. Assume-os com responsabilidade e cheia de amor.
Quando se entra pelas portas da Physioclem as responsabilidades aumentam. O sonho de qualquer jovem fisioterapeuta é integrar esta equipa, que já está presente nos concelhos de Leiria, Alcobaça, Torres Vedras, Caldas da Rainha e Ourém. Foi em 2012 que concretiza este dos seus sonhos, quando a Physioclem fica com o Garden’s Spa, em Leiria, depois de já ter estagiado nesta casa. Propuseram que ficasse na receção, ao mesmo tempo que fazia alguns tratamentos. Nem hesitou no momento de dizer que sim. “Sabia que mais dia, menos dia estaria a fazer o que mais gosto e devo confessar que a experiência na receção foi muito enriquecedora para conhecer melhor quem nos procura”, testemunha a jovem fisioterapeuta de Torre, que agora vive em Fátima.
É uma família de amigos que Joana Vieira tem criado na Physioclem. “São pessoas que depois das horas de trabalho continuam presentes, além de excelentes profissionais com quem tenho a oportunidade de aprender todos os dias. Não se comparam com nenhum outro lado por onde passei”. 
Trabalha com felicidade. “Na Physioclem temos tempo para quem nos procura. Podemos ouvir e dar a devida atenção, para que os resultados sejam aqueles que todos procuramos”. 
Joana Vieira é amiga de Rodrigo Santos, fisioterapeuta da Physioclem em Caldas da Rainha. Frequentaram, na mesma turma, o curso de Fisioterapia, na Escola Superior de Tecnologia de Lisboa. “É um grande amigo e recordo-me de partilhar as experiências de estágio com ele. Hoje é mais um dos nossos, o que me deixa muito feliz porque é uma grande profissional”.
Antes de ser admitida na Clínica, Joana Vieira ainda trabalhou, em part time, num restaurante. “No dia em que entreguei o currículo na physioclem, recebi um telefonema da Vânia Clemente. Fiquei, além da receção, com a área de bem-estar. Fazia massagens de relaxamento e tratamentos de estética. Fui tirando formação nestas áreas. Hoje continuo a fazer o mesmo trabalho, embora também acompanhe outros casos”.
A poucos meses de ser mãe, Joana Vieira diz que a sua vida já mudou. “Tudo o que faço é a pensar na Carminho. As compras, a alimentação, as limpezas… Tenho de viver um dia de cada vez, porque o melhor, sem dúvida, está para chegar”. 
Família unida
Tem uma irmã mais velha, Cristiana. Os pais, Rosa e Fernando, continuam a ser um porto seguro. Em casa dos pais, cresceu sempre com a casa cheia. Tenho dois primos, João Miguel e Paulo José, que são como irmãos. Aliás, um deles ainda dorme lá em casa. “Como o meu pai trabalha fora é sempre reconfortante saber que a minha mãe tem companhia. Sempre tomou conta dos sobrinhos e hoje dos dois netinhos”. Possivelmente, também irá tomar conta de Carminho, porque vive perto da casa dos pais.
Até ao 4º ano, frequentou a  Escola Básica de Torre. Seguiu-se o colégio São Miguel até ao 12.º ano. “Sempre fui boa aluna, porque sou muito meticulosa. Há minha volta tem de estar tudo cuidado e arrumado. Algo que se reflete desde os tempos de estudante até aos dias de hoje. Talvez por isso seja muito chata…”
Desde pequena que sonhava seguir medicina. Gosta de cuidar. Porém, algo mudou durante o secundário: “não me imaginava num serviço de urgências. Agarrei-me aos livros de cursos e comecei a folhear. A escolha aconteceu por exclusão”. Fisioterapia e Ciência Farmacêuticas foram as opções. 
“O primeiro ano de Fisioterapia foi para esquecer. Tudo muito estranho”, conta Joana Vieira, mas felizmente o segundo ano trouxe algo que procurava: a paixão pela Fisioterapia, porque as cadeiras aproximavam-se do que procurava. “É uma área que me dá tudo o que gosto, porque posso conversar, estar em movimento e ajudar diretamente”.  
Musculoesquelética, reabilitação neurológica e bem-estar são as áreas da fisioterapia que mais gosta. 
O futuro escreve-se com um grande sorriso. Carminho é a bebé, que ainda nem nasceu, mas já lhe rouba parte do tempo. A bata branca da physioclem já não aperta como antes, mas Joana Vieira sabe que é apenas uma questão de tempo até ter a sua menina entre os braços.
A jovem de olhos doces e profundos sabe que a vida se constrói com amor e dedicação, todos os dias, por isso não abdica de ser feliz, tanto em casa como no trabalho. 
Luci Pais




Sem comentários:

Enviar um comentário